a difícil arte de amar e o talento de nora ephron


Em 1986 Maryl Streep e Jack Nicholson estrelaram esse filme que me deixou particularmente comovida. 

No roteiro espetacular da Norah Ephron conhecemos a Rachel, uma jornalista de culinária e o Mark, um colunista político que se apaixonam, se casam, compram uma casa e têm uma filha. Simples. Mas com profundidade dos protagonistas ficou tocante. 

Rachel já está em seu segundo casamento, escritora e aparenta ter seus 35 anos, mas parece absurdamente insegura na decisão, tanto que chega a ser forçoso ver Maryl interpretando como se como uma jovem de 18 anos, totalmente perdida. Gastamos praticamente toda a primeira meia hora do filme nessa decisão.

No ano de lançamento Meryl já tinha 37 anos e acumulava seis indicações ao Oscar, já Nicholson estava com 49 anos e parece o mesmo caricato de sempre. 

Por favor, se você não viu o filme, pare por aqui. CONTÉM SPOILER.

Mas o que me chamou a atenção foi a sequência final. As conversas femininas sobre casamento, traição e reconciliação. Em duas horas o longa consegue comover pela forma de entrega, de dúvidas, de restauração de um casamento, ao mesmo tempo que entrega a fragilidade feminina na relação, apresenta a perda de fé e admiração de um no outro e o final melancólico das relações que se passam no filme. 

É tão surpreendentemente realista que não surpreende ser real. Dizem que o que vemos no cinema é a representação real do que foi a relação da escritora Nora Ephron e do jornalista Carl Bernstein, muito famoso pelo Caso Watergate. Nora lançou o livro em 1983 após o término do seu segundo casamento. 

A comédia romântica que eu gosto muito, inclusive, chamada Harry e Sally – Feitos um para o outro( 1989), também foi escrita por ela, mas não deixa um gosto amargo ao final, pelo contrário é uma delícia de assistir e corrobora para mostrar o talento da escritora ao contar histórias de relacionamentos seja nos livros ou nas telonas.

Billy Crystal e Meg Mryan

Como sugestão para conhecer um pouco mais do talentoso ex-casal, é possível alugar o filme Todos os Homens do Presidente (1976). O longa conta como os dois repórteres do prestigioso jornal Washington Post foram desvendando o caso Watergate, que levaria à renúncia do presidente Richard Nixon. Lá, o jornalista Carl Bernstein, ex-marido de Nora e inspiração de Nicholson para seu papel como Mark, é interpretado por Dustin Hoffman.

Vale dizer que depois de ‘A difícil arte de amar’, Jack Nicholson e Meryl Streep voltariam a trabalhar juntos somente anos depois em Ironweed (1987), dirigido por Hector Babenco (o mesmo diretor de Carandiru). 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s