The gentleman

Esperamos o sangue jorrar nas produções do Quentin Tarantino, a máfia com Martin Scorsese, as comédias românticas com Nancy Meyers, cada um com suas características, no caso de Guy Ritchie são os personagens leais e estilosos.

The Gentleman ou Magnatas do Crime (2020) é bonito, reúne um elenco de peso com Charlie Hunnam, Hugh Grant, Matthew McConaughey, Colin Farrell, Henry Golding e Michelle Dockery passeando peças de alfaiataria entre latifúndios de drogas e jantares aristocráticos.

Matthew McConaughey é Mickey Pearson um homem inteligente e talentoso que usa suas habilidades para dominar o mercado da produção de maconha em Londres. Ele é o rei local. Consegue isso rodeado de subordinados, além de audácia e claro, violência. É quando ela tenta se desfazer desses negócios e se aposentar do ramo que começam as intrigas e a trama se desenrola com um jogo de trapaças, assassinatos, perseguições e revelações que envolvem bandidos de rua, lutadores profissionais, oligarcas russos, gângsteres e até jornalistas.

Se por um lado o filme é metalinguístico ao criar um roteiro de filme para explicar o desenrolar do filme, por outro, se torna preguiçoso ao usar um único personagem para descrever todos os demais, além de muitos flashbacks para entendermos a trama. A didática explicação de Fletcher (Hugh Grant) é enfadonha por se estender durante toda a primeira hora e ser usada para apresentar cada integrante.

O personagem de Colin Farrel fica entre mentor ao ensinar em sua academia os jovens a se protegerem e bandido ao ter que resolver os problemas que estes se envolvem ao invadir lugares e coreografar lutas que vão para o YouTube e complicam ainda mais a vida do professor e mafiosos. Mas uma coisa é inegável, o cuidado com o figurino.

A abertura é esteticamente agradável e lembra Little Fires Everywhere (Amazon). O filme tem poucas sequências de ação e uma premissa frágil ao fazer todo o desenrolar do trama para tentar proibir uma publicação que iria expor os criminosos em uma capa de jornal importante.  No filme ainda são encontradas muitas reviravoltas, piadas racistas (qual o limite do humor mesmo?) e o glamour da máfia londrina em meio a maconha e heroína.

O filme está disponível no Now. Caso você não tenha acesso, é possível ver outro trabalho do diretor em Agente da U.N.C.L.E (2015), na Netflix, com Henry Cavill (Superman) e Alice Vinkander (Lara Croft), inclusive, um pôster do longa está estampado em uma das paredes do escritório da Miramax visitado por Fletcher em uma das cenas de The Gentleman,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s