O INOCENTE

Eu fiquei empolgada com essa séria como já fazia tempo que nenhuma me deixava.

A série me lembrou uma frase do filósofo Edgar Morin, ele dizia que o cinema, por meio dos seus personagens é capaz de nos colocar em situações que jamais vivenciamos e a partir daí nos dar novas visões e gerar empatia pelo outro. É exatamente isso que o roterista Oriol Paulo nos faz sentir.

Mas ainda algo mais que me lembra Morin, é a sua teoria de complexidade na qual não é possível entender o todo sem as partes. A produção é um emaranhado de histórias cruzadas que formam uma teia obscura na qual eu e você, caro telespectador, não conseguimos escolher um lado e ficamos a todo instante nos colocando dentro da situação para poder entender um pouco das decisões que levaram cada um a estar no ponto em que estão, nós vamos por partes, a cada episódio mergulhando um pouco mais em cada personagem.

Comecei a assistir O inocente por ver o Mateo Vidal (Mario Casas) na capa. Só depois de vários episódios percebi que o roteiro tinha uma trama tão boa que ele era o fio condutor para labirintos muito, mas muito mais sombrios.

A série espanhola tem vários pontos que me ganharam. Ela é dirigida pelo Oriol Paulo, dos filmes “Um Contratempo” e “Durante a Tormenta”, ambos espanhóis e disponíveis na Netflix.

Por aqui você já deve saber o que vai encontrar: suspense, emoção, mulheres fortes, linhas temporais, muitos flashbacks, histórias cruzadas e claro, aquele roteiro mirabolante, trágico, intenso e cheio de personagens multifacetados que nos permitem ficar com aquelas expressões de “ohh”, no final.

A cada novo episódio nós ganhamos de brinde uma narração da história de um dos personagens, a de Mateo, claro, é a que nos apresenta a série e chega em primeira pessoa.

Agora deixa eu te contar a sinopse da forma mais simples possível:

O Mateo é um estudante de Direto que vai na festa de formatura com o irmão e ao tentar apartar uma briga, acaba acidentalmente matando Daniel (Eudald Font) e por isso é condenado a cumprir pena de quatro anos na prisão por homicídio culposo.

Passam-se nove anos depois, ele já está fora da prisão, tem seu próprio escritório e a mulher da vida dele, Olivia Costa (Aura Garrido), está grávida. Ela precisa viajar para Berlim para resolver questões do trabalho. Enquanto está lá, Mateo recebe uma estranha ligação. É aí que tudo começa.

Nos demais episódios vamos descobrindo o quão imbricado essa história é. Seguimos os passos da inspetora Lorena Ortiz (Alexandra Jiménez), uma dedicada e estilosa policial que começa a desvendar os estranhos acontecimentos que estão ligados ao casal. Há pontos soltos? Sim. Não temos o passado da nossa freira, irmã Irene, não sabemos quem mais estava nas fitas, a relação de Teo Aguilar com a inspetora Pietro…Mas se tornam menores se analisada a obra toda.

São oito episódios. No primeiro você não imagina o que vem no segundo, no terceiro você até desconfia, mas a cada novos 50 minutos você mergulha na história de um personagem, enquanto a narrativa se desenrola no presente, há vários flashes, episódios quase inteiros sobre o passado de cada um, relembramos seus medos, traumas, sonhos e as decisões que os conduziram o presente.

O Inocente é um suspense cativante, emociona, faz pensar e te coloca vários lados de uma mesma moeda e te faz pensar que existem sempre um jeito de ver a vida, de recomeçar, renascer…ou não. Já que você chegou até aqui, sugiro que veja para decidir o que escolheria no lugar de cada um. DEPOIS me dizer se gostou ou não da série.

Por aqui está aprovada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s