Sol – de Lô Politi

Relacionamentos tendem a ser difíceis. 

Não deveriam.

Em Sol, filme de Lô Politi, acompanhamos uma narrativa de ruptura em relacionamentos familiares.

Um dia o telefone de Théo (Rômulo Braga) toca, ele deve ir até o pai que se encontra em um hospital, entre a vida e a morte, precisando de um parente para assegurar os últimos cuidados. Théo não tem contato com o pai há mais de 30 anos. 

Recém-separado, nosso protagonista estava há meses sem ver a filha Eduarda (Malu Landim), com quem está tentando retomar o relacionamento durante as férias da pequena. Partir para cuidar de um desconhecido não estava nos planos. 

Após uma decisão difícil, ele parte para o interior da Bahia. Theodoro (Everaldo Pontes) melhora misteriosamente e agora, fragilizado, precisa de alguém para ampará-lo. O reencontro dos dois é regado a lembranças que surgem como flashbacks de uma infância feliz, nunca mostrando o motivo do distanciamento, além do constrangimento, ressentimento e claro, silêncios. 

Engana-se quem pensa que a relação estremecida é apenas entre pai e filho. Enquanto assistimos, percebemos que Théo luta contra seu passado, toda a dor e questionamentos que ficaram, mas que repete na vida da sua filha o mesmo caminho que um dia o machucou. 

Sensível, ‘Sol’ é uma road trip pelo interior da Bahia e pelas emoções de Théo enquanto conversa sobre pontos de rupturas entre pais e filhos. 

Vale ressaltar que Lô Politi está terminando o longa ‘Meu Nome é Gal’ e que Rômulo Braga, cuja atuação foi vencedora no Festival do Rio em 2021.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s