O destino de uma nação (Darkest Hour)

Winston Churchill, vivido nas telas por Gary Oldman, se baseia em glórias antigas do exército marítimo britânico, luta sozinho por suas crenças, defende a França e mente para a imprensa quando necessário.

Churchill é retratado como um homem que foge aos padrões, teimoso, pouco amado pelos do seu partido e aceito com algum desdém pela oposição, mas ainda assim é o único nome aceito por todos.

Irredutível, o primeiro ministro não quer nem acordo de paz com a Alemanha, mesmo estando sob forte pressão não cede e seu discurso final acaba por nos dar a cena final que é o ponto alto do filme.

Gary Oldman carrega o filme, que é centralizado em suas decisões diante do dramático contexto da Segunda Guerra Mundial. O ator não decepciona, está muito bem em seu papel, mas achei o filme raso e arrastado em relação a Dunkirk, já que eles dividem parte de uma mesma situação, ou seja, bela atuação em um filme mediano.

A passagem de tempo na narração também fica bem à sombra do filme de Nolan.

Lily James vive a observadora Layton, que enfrenta a marra masculina e divide o mesmo espaço com eles mesmo com todos os “nao podes” a ela impostos.

Com direção de Joe Wright, o filme deu a Oldman o Oscar de melhor ator e ainda levou a estatueta de melhor maquiagem e cabelo, merecidíssimo. O figurino e o design de produção também são destaque.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s